Escolha
 
logo FALE CONOSCO
shunya meditação mestres textos zen dzogchen links

Thach Lang
Texto de Thich Nhat Hanh,
extraído do livro"Flamboyant em chamas"

De repente, T’ô parou sem jeito. Sabia que alguém estava de pé diante dela e a observava. Tão absorta estava pela vida da floresta que não tinha ouvido passos se aproximarem. Agora, alguém estava aí diante dela, alguém com respiração leve e perfumada. T’ô sentiu que, quem quer que fosse, tinha presença agradável. Ela nunca havia encontrado alguém antes cuja respiração fosse tão leve e tão pura.

— Quem está aí? — perguntou T’ô com sua vozinha suave. Ninguém respondeu.

— Quem está aí? Qual o seu nome? De onde vem você? — perguntou ainda.

A resposta veio, incerta:

— Thach Lang. Meu nome é Thach Lang e estou vindo do alto da montanha.

Sua voz era tão leve quanto uma nuvenzinha. Essa voz não era tão diferente assim do canto do passarinho que tinha vindo ver T’ô e falar com ela durante nove dias. Thach Lang disse apenas uma dúzia de palavras, num tom suave e hesitante, mas bastou para que T’ô pudesse imaginar a pessoa que estava diante dela. Thach Lang era um rapazinho bastante jovem, de onze ou doze anos, com traços finos, num rosto cheio e oval, um rosto parecido com manga. Os olhos eram brilhantes e claros como um céu de verão. T’ô gostou do seu novo amigo. Ela apontou o pé da árvore perto do qual estava sentada:

— Thach Lang, sente-se por favor.

Thach Lang sentou. T’ô ainda perguntou:

— Onde é sua casa? Lá no alto da montanha?

Mas o menino ficou em silêncio. Passado um instantinho, T’ô disse ainda:

— Que idade você tem, irmão? Onze anos?

Thach Lang respondeu:

— Não sei minha idade. Eu talvez seja muito, muito velho.

T’ô deu uma risada gostosa e pediu a Thach Lang para aproximar-se dela. Levantou as mãos e tocou o rosto de Thach Lang. Sim, de fato, esse rosto tinha um formato de manga e sua pele era fresca como a água do riacho no verão. Thach Lang ficou sentado sem se mexer, deixando a menina explorar seu rosto. Seus cabelos eram bastante compridos: cobriam quase toda a testa e desciam até a nuca. Quando T’ô acabou, ela começou a rir.

— É exatamente como eu pensava. Você deve ter mais ou menos onze anos. Talvez doze, mas não mais. Diga-me, por favor, onde é sua casa? E o que fazem seus pais? Quanto a mim, me chamo T’ô, vivo com minha mãe. Meu pai morreu. Nossa casa é pertinho daqui.

Mas Thach Lang ficou calado. "Certamente é um menino calmo", pensou T’ô. Entretanto, sentiu que ele era feito de inocência e espanto. Ele tinha dito que sua casa era no alto da montanha. Era óbvio que não queria dizer mais nada. Era o bastante. "Não vou aborrecê-lo mais", pensou T’ô. E ficou calmamente ao lado do novo amigo.

De repente, Thach Lang falou:

— Por favor, Chi1, toque flauta. T’ô; riu novamente:

— Não me chame de Chi, por favor. Só tenho nove anos e poderia ser sua irmã caçula. Repita corretamente agora e eu tocarei para você. Diga, por favor: "Irmãzinha, toque flauta para mim, seu irmão mais velho Thach Lang."

Thach Lang repetiu exatamente essas palavras. T’ô riu com seu riso claro e cristalino. Em seguida, ergueu a flauta doce até os lábios e começou a tocar.

Nota 1: Chi - irmã mais velha.