Escolha
 
logo FALE CONOSCO
shunya meditação mestres textos zen dzogchen links

RESISTÊNCIA
de Charlotte Joko Beck
Palestra do Darma
Tradução para o português de
Tenzin Nandrol


Precisamos nos conscientizar de que, por vezes, temos resistência em dar continuidade com empenho a qualquer prática. É normal e natural.

Existem dois tipos de resistência à prática constante da plena atenção. A primeira é quando começamos a praticar cedo demais—em geral incentivados por amigos zelosos. Estes praticantes não conseguem, não querem permanecer sentados e imóveis; em pouco tempo a maioria deixará de meditar. Acontece retomarem a prática quando os amenos ensinamentos da vida impõem constatações mais realistas. Contudo, por mais relutantes que possam estar, se concordam em permanecer sentados, imóveis, por pelo menos cinco minutos a cada dia, poderão constatar progressos interessantes (aqueles que acorrem para "ajudar" o próximo precisam ter sensibilidade para a sua capacidade de receber).

O segundo tipo de "resistentes" são aqueles que têm uma prática consistente. Acontece que, após meses ou anos de meditar sem qualquer resistência, ficam agitados e aborrecidos. Podem mesmo deixar de meditar (claro que por inúmeros motivos). A maioria continuará a meditar, ainda que considerando um empreendimento ingrato e uma perda de tempo. Outros vão continuar meditando esporadicamente durante anos antes de conseguir consolidar a prática.

Então, porque surge a resistência quando a prática provou frutífera? Por um motivo: o ego, ou pequeno self (ou uma ótica existencial centrada sobre si mesmo com os conceitos atendentes, opiniões, julgamentos e analises) começa a se dar conta de que o zazen (meditação) apresenta uma real ameaça e até uma aniquilação. É claro que o ego revida—aparentando ser resistência. Compreendendo isto, compreenderemos que os períodos de resistência são o prenúncio de novos níveis de crescimento, como se retirássemos mais uma casca da cebola.

Também, associadas à resistência clássica, estão as queixas do discípulo que lastima, "já não tem graça". Ou "deixou de ser divertido e mágico". Ou "não tenho retorno e não passa de um trabalho estafante!" Portanto, é aqui mesmo que estaria começando a prática porque o ego pode observar a sua constante busca de prazer e gratificação. Uma oportunidade de ouro para o discípulo, se ele souber reconhecer.

Como a prática diz respeito a tudo o que toque nossas vidas, quando reconhecemos e lidamos com a resistência na almofada estaremos mais conscientes da agitação, das evasões e manobras e sutis que tumultuam todas as nossas ações. Como sempre, o que se passa na almofada vai também se passar onde quer que estejamos. A plena consciência e a prática em lidar com a resistência enquanto meditamos sentados vai iluminar as sombras correspondentes na nossa atividade e relacionamentos.

É claro que para o discípulo todas as formas de resistência são poderosos mestres. Precisamos estar atentos para aprender.




by Charlotte Joko Beck
Dharma Talk
Retirado do site www.prairiezen.org


We need to realize that any serious practice is going to encounter resistance from time to time. Natural and normal.

There are two types of resistance to an ongoing practice of awareness. The first is that of people introduced to practice too soon (usually by over-zealous friends). They can't or won't sit still; and most of them will stop sitting in a short while -- sometimes they return after a few more sobering bouts with life's gentle teachings. However, unwilling as they may be, if they will agree to sit still for even five minutes a day, interesting developments can occur. (As an aside, those of us who rush to 'help' others need to develop sensitivity to what another person is ready to receive.)

The second class of 'resisters' contains those of us who have a persistent sitting practice. Sometimes after months or years of fairly easy sitting, we find ourselves bored and restless. We may even stop sitting (having, of course, lots of good reasons). Most of us will just continue to sit, feeling the whole enterprise is a dreary waste of time but sticking with it anyway. Some may engage in stop-and-start sitting for a few years before settling down.

So why does resistance come up when practice has been noticeably fruitful? It comes up for one primary reason: the ego or little self (or personally-centered view of life with all of its attendant concepts, opinions, judgments, and analyses) begins to sense that zazen (sitting) puts it under severe attack, may even threaten to annihilate it. So of course the ego fights back -- and it feels to us like resistance. If we can understand this, we also understand that periods of resistance -- if we will persist -- are the harbingers of a new level of growth, another layer soon to be peeled from the onion.

Somewhat related to classical resistance are the complaints of the student who moans, 'It's not fun anymore.' Or 'It's not exciting or magical.' Or 'I'm not getting anything out of this, and it's just hard work!' At this fine point, practice might begin. At least the ego has an opportunity to observe its ceaseless search for pleasure and gratification. A golden opportunity for the student (if taken).

Since our practice is with everything in our lives, if we recognize and deal with resistance on the cushion, we will also be more aware of the subtle evasions and maneuvers, and busyness often invading our activities. As always, what we do in sitting, we do everywhere. Awareness and practice with resistance during sitting will illuminate the corresponding shadows in work and relationships.

It is obvious that for the student all forms of resistance are powerful teachers. We need to pay attention -- and learn.