Escolha
 
logo FALE CONOSCO
shunya meditação mestres textos zen dzogchen links

FUKANZAZENGI,
OS PRINCÍPIOS DO ZAZEN DE MESTRE DOGEN
Texto extraído de "O Anel do Caminho"
de Taisen Deschimaru


Deveis abandonar a prática fundada no conhecimento intelectual, correndo atrás das palavras e atendo-vos à letra. Deveis aprender a meia-volta que dirige a vossa luz para o interior, para iluminar-vos a verdadeira natureza. O corpo e o espírito se apagarão por si mesmos e o vosso verdadeiro rosto aparecerá. Se quiserdes atingir a ipseidade, devereis praticá-la sem tardança.

Para o zazen, convém um aposento silencioso. Comei e bebei com sobriedade. Não penseis: isso está bem, isso está mal. Não tomeis partido, nem a favor nem contra. Suspendei todos os movimentos do espírito consciente. Não julgueis pensamentos e perspectivas. Não alimenteis desejo algum de tornar-vos um Buda. Zazen não tem absolutamente nada que ver com a posição sentada ou com a posição deitada.

No lugar em que tendes o costume de sentar-vos, estendei uma esteira grossa e colocai uma almofada em cima. Sentai-vos na posição de lótus ou de meio-lótus. Na posição de lótus, colocai primeiro o pé direito sobre a coxa esquerda, depois o pé esquerdo sobre a coxa direita. Na posição de meio-lótus, contentai-vos com colocar o pé esquerdo contra a coxa direita.

Não vos esqueçais de desapertar as roupas e o cinto, arrumai-vos convenientemente.

Em seguida, colocai a mão direita sobre a perna esquerda e a mão esquerda, virada para o alto, sobre a direita; as extremidades dos polegares se tocam.

Sentai-vos bem aprumado, na atitude corporal correta, nem inclinado para a esquerda, nem inclinado para a direita, nem para a frente, nem para trás.

Certificai-vos de que as orelhas estão no mesmo plano dos ombros e que o nariz se acha na mesma linha vertical do umbigo.

Empurrai a língua para a frente, contra o palato; a boca está fechada, os dentes se tocam.

Os olhos devem permanecer sempre abertos, e deveis respirar suavemente pelo nariz.

Quando tiverdes assumido a postura correta, respirai profundamente uma vez, inspirai e expirai. Inclinai o corpo para a direita e para a esquerda, e imobilizai-vos numa posição sentada estável.

O Zen está além de todo e qualquer dualismo; por sua simplicidade, dá acesso ao estado absoluto de sabedoria; e é aqui que a significação do zazen assume toda a força: Shikantaza, apenas sentar-se, sentar-se e mais nada.

O Zen é a filosofia da gratuidade, do não-lucro; cada qual trabalha, na vida, para uma finalidade, por uma idéia, com um objetivo; cada qual quer dar e receber, mas só se atinge a vida espiritual mais alta do homem quando não há busca de lucro nem medo de perda.

Conservai as mãos abertas, toda a areia do deserto passará por entre elas; fechai-as e não conseguireis senão alguns grãos.

A menor noção de guardar, de permanecer na consciência, é um obstáculo. A harmonia com o sistema cósmico é o abandono de tudo. Somos unidade e recebemos então a energia do cosmo.

Tudo indica que a educação baseada unicamente no conhecimento intelectual, nas religiões e morais tradicionais já não são capazes de fornecer soluções. Angustiados, desorientados, desequilibrados, os homens fogem, buscando os prazeres momentâneos e a facilidade, e assim se apartam da essência espiritual e do verdadeiro sentido da humanidade. As contradições e insatisfações são numerosas, rompeu-se o equilíbrio natural dos humanos porque eles já não sabem viver na condição normal do corpo e do espírito.

Estudar o Caminho do Buda é estudar-se a si mesmo.
Estudar-se a si mesmo é esquecer-se de si mesmo.
Esquecer-se de si mesmo é estar identificado com todas as existências do cosmos.
Estar identificado com todas as existências do cosmo é despojar-se do corpo e da mente.
Despojar-se do corpo e da mente é despojar-se do seu eu.


Qual é a essência de todas as religiões, de todas as filosofias?
Compreender-se a si mesmo.
Não uma compreensão lograda unicamente através da imaginação, da parte frontal, intelectual do cérebro, mas uma compreensão lograda através do corpo. Vivemos graças à energia do cosmos. Durante o zazen, nossa consciência e nosso corpo se harmonizam com o sistema cósmico, graças à respiração, aos cinco sentidos e à consciência, que se acalmam, perdem as ansiedades, os temores, natural, automática, inconscientemente. É a verdadeira religião.

Essa postura exata influi na consciência, nas sensações, nos pensamentos. Zazen é a volta às condições normais, à saúde do corpo. Será difícil associar ao zazen um corpo em mau estado. Zazen é o barômetro da saúde, da mente.

As doenças aparecem sempre a partir das deformações do corpo e da mente. Graças à postura do zazen localizamos nossas deformações e nossos pontos fracos. Zazen significa olhar para nós mesmos, compreender o nosso ego, o nosso karma e os maus hábitos do corpo e da mente. Quando praticardes zazen mantende uma postura justa. Do inconsciente surgem desejos e pensamentos. Assim podeis observar-vos a vós mesmos. Se sentirdes pontos dolorosos pelo corpo ou mesmo um desequilíbrio entre o lado direito e o esquerdo, essa deformação pode vir a ser a causa de uma doença futura.

Quase todas as religiões procuram o controle por meio do espiritual. Mas se quisermos controlar o espírito pelo espírito complicar-nos-emos. Querer controlar o espírito pela vontade é como querer apagar o fogo com o fogo.

A educação Zen não é científica. A educação Zen está além da ciência, além da filosofia. O pensamento Zen pratica-se com o corpo. E inclui as contradições.

No Zen, não pensamos no problema da existência ou da não-existência de uma substância. Propomos os problemas seguintes: Que fazer? Como existir aqui e agora?

Dizia Mestre Kodo Sawaki que conduzir a nossa vida é como andar de bicicleta. Uma boa prática faz-se necessária. Se o corpo e o cérebro estiverem rígidos, não poderemos conduzir; não poderemos vencer a dificuldade. É preciso pedalar sem parar. Se não pedalarmos, não avançaremos, se executarmos uma manobra errada, cairemos.

Precisamos utilizar o cérebro como utilizamos a bicicleta. Agora, agir de tal maneira, cada momento é diferente. O aqui e agora difere a cada instante, como o tempo que passa. Por isso mesmo, o cérebro não deve permanecer unilateral. Se só decidirmos segundo nossas próprias categorias, o cérebro não evoluirá e não poderemos criar sabedoria.

Da pergunta: Como somos?, devemos passar à pergunta: Como devemos ser em nossa vida real? Nesse momento, a alta verdade da prática da fé e da religião pode assumir numerosas dimensões.

É de suma importância entrar na prática e na experiência.

No Zen, devemos rejeitar até os juízos sobre o bem e o mal.

O bem e o mal não são mais que o verso e o reverso da mesma medalha.

Se nos apegarmos a um juízo, ele se fixará e assumirá uma substância própria. Por isso mesmo, no Zen, não fazemos senão negar, negar, sem parar, todas as coisas.

O Caminho do Meio, é o fato de se controlar. De equilibrar.

Nas religiões modernas, só nos concentramos nos ensinamentos, nos sutras, no estudo, na teologia. Esquecemos a prática, assim como a fé. Daí, que o ensinamento sem a prática e sem a fé não pode dar lugar ao despertar.

No interior do espírito das pessoas, as vagas e o vento estão sempre em movimento.

O ser humano cria suas próprias ilusões. A perseguição às sombras da consciência engendra a ilusão ou o erro. A maioria das pessoas fala segundo as próprias ilusões estúpidas. Seus discursos são errôneos, pois decidem acerca do bem e do mal através das ilusões.

Devem-se as ilusões à mente instável que se move e erra em função do meio. O satori é a condição estável, normal e original da mente.

Nossa silhueta muda a cada instante como a chama que arde. Muda a cada instante o conteúdo das concepções ou das categorias. Não há nada fixo.

No mundo visível, nada é idêntico, cada objeto é diferente.

Tudo existe numa reIação de interdependência, sem noúmeno (essência), sem substância.

Durante o zazen, o cérebro equivale a uma janela através da qual sopra forte corrente de ar.

Sem nódoa
Na água da mente
Permanece a claridade da Lua.
Até as vagas ali se quebram,
E se transformam em luz pura.


Durante o zazen, o cérebro e a consciência se purificam. Exatamente como a água suja que deixamos decantar num copo. A sujeira, progressivamente, se deposita no fundo e a água se torna pura.

As pessoas ignoram
A jóia preciosa
E, no entanto, cada qual a possui
Profundamente enterrada
Na consciência Alaya, o inconsciente.


Quando a consciência Alaya emerge e se manifesta, aparece o espelho da sabedoria.

O satori do Zen Soto é, pois, o redescobrimento do estado original esquecido, além de todas as observações de que é suscetível a consciência saída do cérebro frontal; deixa de ser, portanto, subjetivo, para ser totalmente objetivo.

O zazen, que é a essência do ensino do Buda e dos Patriarcas que lhe sucederam, permite a ultrapassagem de todas as contradições; é um salto para além das categorias, é Hishiryo, o pensar não-pensado, o pensar oriundo do não-pensamento. Todos os fenômenos que chegam aqui e agora não se distinguem do satori, constituem o verdadeiro satori, a verdadeira natureza de Buda. Na natureza de Buda não existe forma nem não-forma.

Zazen tem um gosto muito simples, leve, quase neutro.
Se dermos gosto ao zazen, fá-lo-emos vulgar.
É semelhante ao largo céu.
E ao oceano sem limites.


O satori é unificação, unidade, não-separação. O próprio zazen é satori. A ação é a certificação do satori. O satori não é, pois, um acontecimento, mas um estado permanente que subsiste até a morte. Entretanto, nem por isso devemos esperar entrar no caixão para obtê-lo, será tarde demais. Para cada pessoa, o satori é, a um tempo, diferente e idêntico, como a Lua que se reflete tanto numa gota de orvalho ou numa gota de xixi de cachorro quanto no oceano. Cumpre rejeitar tudo, corpo e mente, para que o zazen nos acompanhe; seguimo-lo sem fazer uso da força, da consciência. Inconsciente, natural, automaticamente, nós nos separamos das ilusões e obtemos o satori.

A postura do zazen é o satori.

O zazen deve arrastar o pensamento humano na direção do Buda, da ordem cósmica. A postura do zazen é semelhante à postura alongada do leão, ao rugido do dragão. É digna do máximo respeito.

Quer estejais sentado, de pé ou deitado, deveis ser parecido com o rei dos leões, que permanece totalmente livre e forte, bravo e sem medo; se outras pessoas vierem ver a vossa postura, esta deve ser tal que elas não possam aproximar-se, tamanha a dignidade que dela emana.

Rejeitai, num só golpe, todo pensamento e todo saber e, se fizerdes Shikantaza e sentardes em zazen abandonando tudo, pouco a pouco vos familiarizareis com o satori. Atingireis então o Caminho utilizando o corpo de modo apropriado, especialmente se vos sentardes.

Os homens que desejam o satori oriundo de um conhecimento limitado e seletivo duvidam da suprema sabedoria do Buda, nascida da consciência cósmica ilimitada. Assim, se não acreditardes na sabedoria suprema, sereis prisioneiro do vosso eu consciente e experimentareis sofrimentos. O coração deve deixar-se arrebatar pela fé, confiar-se natural e inconscientemente à Mente Cósmica em vez de agarrar-se ao eu objetivo. A mente contém todo o cosmo.

No mundo da verdade, eu e os outros não somos separados.Lá não existe nenhum vestígio de dualismo: fenômeno e essência mutuamente se interpenetram e se encaixam com perfeição. Quando a mente não se detém em nada, a verdadeira mente aparece.

Na maioria das meditações, seja mesmo em certas formas de Zen, os adeptos, mestres e discípulos sempre se esforçam por destruir as ilusões e permanecer no não-pensamento, por destruir a mente errônea e permanecer na não-mente, por matar a atividade viva em si mesmos e estagnarem-se num estado de não-vivo, de não-atividade. Do mesmo jeito que sempre quiseram matar o aspecto e brincar com o não-aspecto. Razão pela qual esse gênero de meditação sempre enfraqueceu a maioria das escolas e seus praticantes.

O verdadeiro zazen é como o espelho que reflete todas as formas ou todos os fenômenos, e em que a vossa mente se torna completamente clara. À medida que a vossa mente soçobra, kontin vos precipita nos abismos do sono e, quando a vossa mente flutua, sanran vos afunda nos abismos da confusão. Por isso mesmo, durante o zazen, acautelai-vos dos dois obstáculos, kontin e sanran, modorra e exaltação. Mas se viveis no centro do palácio luminoso da tranqüilidade cósmica, sanran se acalma por si mesmo mercê dessa tranqüilidade perfeita. E a vossa mente se acalma completamente, até em presença de sanran.

Da mesma forma kontin se aquieta pela observação da vossa própria luz, e podeis tornar-vos totalmente essa luz, mesmo com a existência de kontin.

Por conseguinte, deveis observar kontin durante o zazen e tornar-vos luminosos com kontin; e deveis deter sanran durante o zazen e acalmar-vos com sanran. Como o javali que descobriu uma mina de ouro ou como o vento que espalha ao longe o perfume das flores olorosas, inconscientemente.

Na verdadeira mente espiritual não há ilusão.

Se pudermos usufruir da verdadeira e perfeita liberdade da mente, até a nuvem branca e a montanha azul se transformam em sombra em nosso pensamento único, e a bruma sobre a floresta de pinheiros ou a neve que recobre a floresta de bambu também se transformam em sombra em nosso pensamento único. Poderemos, então, pescar a Lua e lavrar a nuvem.

Nesse momento, como se realiza o mérito infinitamente grande do zazen, podemos fazer entrar o cosmo numa semente de papoula, ou o oceano num poro da pele, e mudar a terra do inferno em terra do paraíso, inconsciente, natural, automaticamente.

Por favor, meus caros discípulos, considerai que a nossa vida é tão vã e efêmera quanto a gota de orvalho sobre a relva de manhã, e que o nosso destino é tão impermanente quanto o sonho ou a ilusão, a bolha d'água ou a sombra.

Quando uma gota d'água cai no oceano,
Quando um grão de pó cai na terra,
A gota d'água já não é uma gota d'água, torna-se oceano,
E o grão de poeira já não é um grão de poeira, torna-se a terra inteira.


O verdadeiro Zen não é correr para alcançar o Caminho, porém ser alcançado pelo Caminho. O verdadeiro Zen é o despertar-metamorfose; não é um satori pessoal. O sutra do nirvana repete as palavras que Buda pronunciou quando obteve o satori debaixo da árvore Bodhi: "Eu e todos os seres vivos realizamos juntos o Caminho".

Não pratiqueis o Dharma do Buda, não pratiqueis o zazen em vosso benefício, com finalidade utilitária, pelas honras, pelos méritos, para lograr favores, milagres, mas apenas pelo Dharma do Buda. Shikantaza é a mais alta, a maior, a mais pura dimensão do corpo e do espírito do homem.

O zen de Dogen não é a ambição de vir a ser mais do que humano, um ser especial, Buda ou Deus. Tampouco é a esperança de ter a visão da vacuidade, ou de fazer milagres. É voltar à condição normal da mente humana.

A prática do zazen traz a paz interior. Além disso, o vosso zazen influência toda a humanidade, todo o cosmos.

Zazen é um jogo, o maior de todos. Só os que o compreenderam continuam a praticar.