Os quatro yogas de Mahamudra

por Tsele Natsok Rangdröl
Extrato da "La Lampe Immaculée qui éclaire parfaitemente le sens du Mahamudra"
Dharmachakra, Bruxelles, 1991
Tradução p/ português: Karma Tenpa Dhargye

  1. Ser capaz de ficar em meditação tanto tempo quanto se queira, é "em um único ponto".
  2. Se reconhecer como mente comum e reconhecer que ela é desprovida de fundamento e de raiz, é "sem elaboração".
  3. Liberar no conhecimento o agarrar dualista das aparências do samsara e do nirvana, é "um único sabor".
  4. Purificar todas as manchas das convicções e das tendências, é "não-meditação".

A essência dos quatro yogas é assim resumida.

Em particular, a diferença entre a meditação e pós-meditação de "em um único ponto", é que permanecemos ou não permanecemos. [na presença]

Para a meditação e a pós-meditação de "sem elaboração", é lembrar-se ou não se lembrar.

A partir de "um único sabor", meditação e pós-meditação misturam-se e são, pois inseparáveis.

Se a natureza dos pensamentos aparece como o não-pensamento, é "em um único ponto".

Se ela aparece como vacuidade, é "sem elaboração".

Se ela aparece como igualdade, é "um único sabor" e se aparece como estando além da mente conceitual, é "não-meditação".

No tempo de "em um único ponto", a confusão surge de maneira incontrolável; no tempo de "sem elaboração", realizamos que ela é sem fundamento nem raiz; no tempo de "um único sabor", a confusão aparece enquanto sabedoria e no tempo de "não-meditação", estamos livres dos termos de confusão e não-confusão.

No momento de "em um único ponto" o ideal é realizar a inseparatividade da calma e do movimento dos pensamentos; no momento de "sem-elaborações", o ideal é realizar a inseparatividade da confusão e liberação; ao nível de "um único sabor", a inseparatividade da mente e das aparências e ao nível da "não-meditação", a inseparatividade de meditação e pós-meditação. É dito que, em cada um desses casos, encontramos a realização suprema.

É dito também que o estado da mente de "em um único ponto" é a solidez, o de "sem elaboração", é meditação e pós-meditação, o de "um único sabor", é a unidade e o de "não-meditação", é sua realização.

Ao nível de "em um único ponto" reprimimos nossos pensamentos; ao nível de "sem elaboração", cortamos a raiz dos pensamentos; ao nível de "um único sabor", a sabedoria espontânea aparece do interior; ao nível da "não-meditação", obtemos a estabilidade.

Em resumo, as explicações das distinções e as espécies de classificações são em número incalculável e infinito, mas o ponto verdadeiramente mais importante é este: após haver reconhecido a maneira de ser natural da mente tal como ela é, a única coisa importante é saber como conservar esta maneira de ser na mente comum, como permanecer neste estado sem que ele seja manchado pelas criações mentais.



Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *