Monges são ótimos amigos

Texto de Shundo Aoyama,
extraído do livro
Para uma pessoa bonita

O Buda Skakyamuni1 dizia: “ter ótimos amigos e estar em boa companhia não é metade do caminho, não é parte do caminho, é o próprio caminho”. Ele enfatizava assim a importância de ter bons amigos.

O Mestre Dôgen também escreveu no Shôbôgenzô Zuimonki2: “Mesmo os estudantes de Zen que não tenham muita disposição em buscar o Caminho, apenas por estarem próximos a bons praticantes, acabam por criar bons relacionamentos e enfim podem ver e ouvir como eles. Os bons amigos estão conosco, não importa quão sofrida e solitária seja a prática”.

Essas palavras mostram a docilidade, a sabedoria e a compaixão de Mestre Dôgen, que se colocava sempre no plano das pessoas comuns, mesmo daqueles de fé mais fraca.

O caractere “so” em japonês deriva do sânscrito “sangha”3 e quer dizer “grupo harmonioso”. Uma pessoa apenas não é chamada de “so”, não pode formar uma “san gha”. Buda Skakyamuni, conhecendo a fraqueza humana, não aconselhava a prática solitária.

Sozinhos não conseguimos nos empenhar verdadeiramente, nem mesmo por apenas uma hora, em zazen. Se, por outro lado, o fizermos com outras pessoas, podemos praticar o zazen por três dias, ou mesmo durante um retiro de uma semana, ou até dedicar toda nossa existência à vida monástica. Pode parecer que o zazen é uma prática solitária, mas isto não é verdade. Não podemos ter sucesso sozinhos. Como dizia o Mestre Dôgen: “A prática é a força do grupo”. A perseverança de todo o grupo sustenta a prática de cada um. E por isso que dizemos que “os monges são ótimos amigos”.

Reverenciando aqueles que despertaram para o verdadeiro caminho, seguindo os ensinamentos de Buda, mante-mos a prática constante em nosso dia a dia, sustentados por nossos amigos monges que compartilham de nossas aspirações. Quando doentes, sou doente. Quando pobres, sou pobre. Bem no meio da doença e da pobreza, ou de qualquer situação que surja, confiamos nos Três Tesouros: Buda, o ser iluminado; Darma, seus ensinamentos; e Sangha, a comunidade harmoniosa de praticantes. São os Três Tesouros que nos permitem praticar. Existe alguma felicidade maior do que esta?


1Buda Sakyamuni – O Buda histórico, fundador do Budismo, cujo nome original era Príncipe Gautama Sidharta. Shakya se refere ao nome do clã a que ele pertencia e muni significa sábio.
2Shôbôgenzô Zuimonki – literalmente: O olho – tesouro do Darma correto, obra de Eihei Dôgen. ele pretendia escrever cem capítulos, porém morreu antes de terminar. Há uma versão oficial com 95 capítulos. O olho – tesouro da lei verdadeira e A suprema mente de nirvana são considerados os ensinamentos de Buda transmitidos a seu discípulo Makakashô..
3Sangha – termo sânscrito que indica uma comunidade de praticantes ou monges.
Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *