A medida


A medida

Texto de Shundo Aoyama, extraído
do livro “Para uma pessoa bonita

“Roubam seus sapatos porque você os deixa juntos. Se colocar cada sapato separadamente, um aqui e outro ali, ninguém os roubará.”
Esta frase foi dita por um senhor na sala de espera masculina de um encontro Zen. Era um funcionário da polícia. Acredito que tenha ouvido esse conselho de um preso. No início, pensei que era uma ideia realmente estranha. Mas imediatamente, ao escutar essas palavras, me dei conta de que, tendo aprendido desde pequena a colocar os sapatos sempre juntos, estava estupidamente convencida de que não era possível guardá-los de outro modo.

“No mundo existem outras formas de pensar”, refleti maravilhada.

Dizem que em algum lugar de Kyushu1, há vários séculos, existia uma aldeia povoada apenas por ladrões. Se tivesse nascido nessa aldeia, naquela época, talvez pudesse ter-me tornado uma ótima ladra e talvez houvesse ensinado as melhores técnicas para roubar e não se deixar roubar, como, por exemplo, deixar cada pé dos sapatos separado do outro.

Pensei na boa influência de ter nascido em uma família religiosa e ter sido educada por monjas budistas. Também percebi que cada pessoa julga as coisas de acordo com sua própria medida. Deveria portanto ter a humildade e a compreensão de não insistir em impor meus julgamentos aos outros.


1Kyushu – terceira maior ilha do arquipélago japonês, situada no extremo sul do Japão.
Print Friendly, PDF & Email

Uma ideia sobre “A medida

  1. Pingback: Para uma pessoa bonita | Shunya

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *